decisão da justiça sobre a greve.jpegA greve que servidores da educação de Poá conduzida pelo SINTEP esta ilegal, de acordo com a decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo, em decisão dada ontem, e divulgada hoje em nota pela Prefeitura Municipal de Poá, em ação ingressada pelo número 1004085-91.2017.8.26.0462

Segundo informou um secretário municipal, esta entidade que esta no comando de greve, não tem registro sindical e nem legitimidade para fazerem greve, declarou o membro do primeiro escalão.

A população estava bem dividida, pois muitos descontentes com as ações do governo municipal através do prefeito Giancarlo Lopes da Silva, entre outros desafetos político do prefeito, estavam apoiando e trabalhando para que  a greve continuasse. Inclusive a greve ganhou adesão de vereadores da cidade, e também deputados estadual e federal Ivam Valente (PSOL), que visitaram a cidade e participaram dos atos público como mostra o vídeo.

Mas uma outra grande parte de pais e membros da sociedade poaense, sentiram na pele os problemas causados pela grave, pois com seus compromissos inclusive de trabalho, tiveram suas rotinas alteradas pela ausência de aulas nas escolas pública, onde estava crescente o número de servidores que estavam aderindo a greve.

Prefeitura divulga nota pública sobre a decisão da justiça

A prefeitura divulgou hoje a tarde uma nota informando sobre a greve. A reportagem da @oficialpoacomacento tentou contato com o Edgar Passos do Sintep, mas até o fechamento não conseguimos contato com ele.

Click aqui e veja a decisão da justiça no Fórum de Poá

Veja a nota:

O Poder Executivo de Poá, diante das recentes manifestações coletivas de diversos servidores municipais, vem a público, reiterar a sua sensibilidade às reivindicações dos servidores, reforçando uma vez mais estar aberto ao diálogo com as entidades que legitimamente representam as diversas categorias profissionais existentes em seu quadro de pessoal.

Repudia, contudo, o exercício abusivo das paralisações coletivas promovidas nos últimos dias pelo autodenominado Sindicato dos Trabalhadores na Educação Pública Municipal da Estância Hidromineral de Poá – SINTEP POÁ, esclarecendo que tais paralisações, para além de serem encabeçadas por entidade destituída de reconhecimento legal, foram promovidas sem a prévia e necessária aprovação em assembleia geral, bem como sem a prévia indicação, também em assembleia, de reivindicações legítimas, conforme exigências dos artigos 3º e 4º, da Lei 7783/89 (Lei de Greve).

A propósito, o Poder Público esclarece que em decisão datada do dia 12 de junho próximo passado o Excelentíssimo Senhor Juiz de Direito, Dr. Sergio Ludovico Martins, nos autos da ação nº 1004085-91.2017.8.26.0462, em trâmite perante a 1ª Vara Cível local, reconhecendo a falta de representatividade do Sindicato dos Trabalhadores na Educação Pública Municipal da Estância Hidromineral de Poá – SINTEP POÁ, determinou à reportada entidade que se abstenha de promover ou participar de manifestações que de qualquer forma tragam prejuízo aos serviços prestados pelos servidores municipais de Poá ligados à área da educação, sob pena da incidência de multa no importe diário de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais), além da configuração do crime de desobediência à ordem judicial.

Diante do teor da mencionada decisão judicial, a Administração Municipal reafirmando uma vez mais a ilegalidade das paralisações ocorridas, orienta os seus servidores a não aderirem a tais movimentos, diante dos possíveis prejuízos que poderão ser suportados pelo apontamento de faltas injustificadas e descontos remuneratórios, além da apuração de eventuais infrações disciplinares.

Poá, 13 de junho de 2018.

Carlos Humberto Martins Duarte
Secretário de Educação

Comando de greve se pronuncia e diz que a greve continua

O coordenador do movimento de greve em Poá Edgar Passos, gravou um vídeo na madrugada de hoje, como mostra abaixo e convoca a todos para a audiência pública hoje na câmara municipal da cidade às 18h, conforme ele mesmo declarou no vídeo dizendo que a greve continua mesmo após a decisão da justiça