Adilson Santos

ades-macaco-bebe-500x500Esta semana observei que um funcionário(a) público comissionado, por demais abelhudo(a), fica ingerindo no serviço do seu colega de trabalho que é um servidor público concursado, que tem sua função específica, querendo dar ordens e fazer média.

A ingerência, deixou o colega de trabalho constrangido, que tem a função de cuidar do departamento, e administrar as demandas do seu setor.

Já o servidor(a) público abelhudo(a), só porque trabalha com uma pessoa do alto escalão, se sente no direito de ingerir no expediente do colega de trabalho, onde deveria estar cuidando de seus afazeres, e praticando o respeito profissional.

Mas estamos de olho mesmo, e na próxima vamos fotografa e provar que você não esta respeitando nem o(a) cidadão(ã) que procura o setor público, e muito menos seu colega de trabalho.

Já se o servidor público que é concursado perceber a ação do intruso, que quer por vezes fazer média ou se crescer, prepare o seu celular, grave e filme, pois se ele esta ingerindo em seu setor, para um assédio moral é um passo. Sendo assim, grave, monitores, se previna e faça justiça colhendo provas se precisar.

Estão para ele vai o dito popular: “Cada macaco no seu galho.