Aéssio Ramos Pinto

aessioO Vice-Prefeito e Secretário Municipal de Saúde, Marquinho Indaiá, sob a alegação de falta de recursos financeiros, resolveu encerrar o atendimento médico de pediatria no Hospital Dr. Guido Guida, transferindo os médicos pediatras para trabalhar nos Postos de Saúde da periferia.

Logo depois, Marquinho Indaiá postou nas redes sociais um vídeo para justificar sua decisão, informando de que a partir daquele momento os pais precisavam agendar nos Postos de Saúde as consultas com médicos pediatras. E, ao final, pediu desculpas ao povo poaense.

Ontem foi convocada toda a imprensa da região, a fim de que o prefeito Giancarlo Lopes da Silva (PR) e seu Vice-Prefeito e Secretário de Saúde, Marquinho Indaiá (PR), pudessem esclarecer as razões do fechamento da pediatria no Hospital Dr.Guido Guida.

O problema, como sempre, foi atribuído à diminuição da arrecadação, com a mudança do Imposto de ISS. No entanto, nenhuma alternativa foi encontrada, o que demonstra desorganização e falta de planejamento, além de uma gestão pautada pela forma simples de administrar a cidade.

Ocorre que ninguém esperava que o Ministério Público viesse a intervir nessa situação. E, foi o que ocorreu no final da tarde e começo da noite de ontem (24). Sempre em defesa da sociedade, o Ministério Público da Comarca de Poá propôs em situação de emergência, a obrigatoriedade de a Prefeitura Municipal de Poá manter um pronto atendimento de pediatria no Hospital Dr. Guido Guida.

Desta forma, por imposição do Ministério Público, tanto o prefeito Giancarlo Lopes, como seu vice e Secretário de Saúde, Marquinho Indaiá, terão de voltar atrás e manter médicos de pediatria no Hospital Dr.Guido Guida.

Locação de prédios
O problema da falta de recursos não pode ser apontado para a crise, se levarmos em conta, por exemplo, um único fato, que este jornal constatou:
A Prefeitura há anos atrás locou uma casa na Rua Dr.Miguel Couto (ao lado do prédio da Telefônica) para instalar o CEO-Centro de Especialidades Odontológicas – Reformou toda a residência para adaptar os serviços.

Pois bem: agora locou outro prédio, há menos de 300 metros, com aluguel bem maior. Teve de adaptar todo o espaço e está transferindo para esse local o CEO. Qual a explicação dos gestores do dinheiro público. Porque mudar toda a estrutura que vinha funcionando a contento durante anos.

Se fosse para economizar, então deveria transferir para espaço ocioso existente no próprio Hospital Guido Guida, já que os andares superiores estão vazios. O dinheiro é do povo e deve ser bem gerenciado. O Ministério Público está de olho nisso também.

A POA COM ACENTO, entrou em contato com a Secretaria de Comunicação, que informou que até o final do dia de hoje, a secretaria ainda não havia sido notificada.

Aéssio Ramos Pinto, jornalista, diretor do jornal Novo São Paulo e Rádio Estância, bacharel em direito, ciências e letras, fotógrafo profissional, conselheiro do Contur e Etec,   já foi secretário de Cultura, Esportes e Turismo, Governo, assessor parlamentar e candidato à vice-prefeito.